Pode a arte ser revolucionaria?